Winston McCall fala sobre “Unbreakable Tour”

Um novo vídeo foi gravado recentemente por Winston McCall, onde o vocalista comenta sobre o início da “Unbreakable Tour” que conta com a participação das bandas Asking Alexandria, Stick to Your Guns e Darkest Hour.

O vídeo é bem similar a outro que foi publicado no início do mês e, assim como na primeira vez, Winston relembra que eles estão preparando um show muito louco e que os fãs não devem esperar para comprar seus ingressos. Assista abaixo:

Quer ver a “Unbreakable Tour” em sua cidade? Participe da campanha do Parkway Drive Brasil e peça pelo show dos caras através do Queremos!

Winston lista os momentos mais perigosos vividos pelo PWD

O vocalista do Parkway Drive participou do podcast da revista Kerrang! durante os bastidores do Reading Festival onde ele respondeu quais foram os momentos mais perigosos vividos pela banda.

Entre eles, Winston citou o pulo de pára-quedas do clipe de Vice Grip, uma vez que Ben quase foi engolido por uma baleia e uma briga com um gorila em um zoológico. Assista abaixo:

Outras entrevistas foram realizadas no mesmo dia ao Gigwise, Mike James Rock Show e RAMzine Rock & Metal, onde Winston conta um pouco sobre as experiências da banda nos festivais da Europa, o processo de composição do próximo álbum do PWD e as inspirações por trás das letras das músicas.

Winston McCall fala sobre Tom Searle

tom-winston

O vocalista do Parkway Drive, Winston McCall, prestou uma homenagem ao ao guitarrista da banda Architects, Tom Searle, que morreu aos 28 anos no mês passado depois de uma batalha de três anos contra o câncer.

Em uma entrevista para o próximo episódio do Metal Hammer: In Residency no Spotify, McCall fala sobre o “cara legal” que não compreendia as músicas que havia criado, e diz que Searle deixou um legado “poderoso” para trás.

McCall diz: “Ele tinha uma alma maravilhosa – uma pessoa fantástica. Nós conhecemos Tom por 10 anos – o Architects foi a primeira banda que tocou conosco em Londres.”

“Ele sempre foi cara de pau, com humor sarcástico, agradável, um cara que sempre estava pronto para conversar, sempre encontrava um motivo para rir de qualquer coisa e não percebia o que havia criado.”

“Eu acho que ele criou um legado muito forte e precisava de muita convicção em si mesmo para dzer, ‘É isso que eu quero colocar no mundo, é isso e nada mais, não importa o que as pessoas digam ou a direção que tentem nos mandar – isso é o que nós somos e isso é o que eu sou’.”

“Poder deixar isso para trás é uma testemunho poderoso da vida.”

Durante o show do Parkway Drive no Lowlands Festival, Winston aproveitou para dedicar a apresentação da música “Home Is For The Heartless” para Tom. Assista abaixo o vídeo do momento e, em seguida, outra declaração realizada para uma matéria da revista Kerrang!,

“Tom era uma figura, um gênio, um músico que nunca se vendeu ou fez qualquer coisa que não tivesse a visão que ele tinha para o Architects. Ele nunca se venderia por nada. Eu nunca mais poderei conviver com essa pessoa incrível, mas o fato de eu poder continuar a interagir com a música de Tom, e poder continuar a aproveitar mais o tempo que tivemos juntos nesse mundo, é algo incrível. O Tom se destaca por mostrar para você que se você coloca paixão, importância e amor em algo, então você pode criar algo que é especial e reflete em seu coração como pessoa além da mortalidade.”

Winston fala sobre o processo de composição e direção do próximo disco

parkway-drive-news-02

Apesar de estarem prestes a embarcar em uma nova turnê pelos Estados Unidos, Canadá e Europa, parece que o Parkway Drive já está preparando o material para o disco que deverá ser lançado após o quinto álbum da banda, “Ire”.

Em uma entrevista divulgada recentemente pela revista britânica, Kerrang!, o vocalista Winston McCall foi questionado sobre o processo de composição do novo material e, surpreendentemente, a banda já possui algumas coisas prontas, e, talvez até mesmo, uma direção para onde a sonoridade do futuro do Parkway Drive.

(O processo) Não está tão profundo, mas falando sobre isso nós já temos algumas coisas prontas. Nós já separamos um tempo no começo do ano que vem para compor, e já queríamos isso pois o último levou tanto tempo que precisaríamos de mais para o próximo, além de colocar uma carga grande de esforço, mas acabamos de ficar em casa por duas semanas e algumas coisas começaram a tomar forma. Nós já temos muito mais do que esperávamos ter a essa altura. Falando sobre a sonoridade, nós temos grandes expectativas com o próximo disco. O último disco (Ire) eram águas desconhecidas para nós, mas agora nós já sabemos o que conseguimos fazer quando pensamos sobre isso.

Com essas informações, podemos concluir que, provavelmente a banda continuará a trabalhar nessas composições que tomaram forma após a turnê da Austrália e antes da turnê de verão na Europa, que aconteceu no mês passado, mesmo já tendo uma agenda de shows para até Abril do próximo ano. Entretanto, não devemos esperar por um novo disco, pelo menos, até o fim de 2017. O segundo semestre do ano que vem deve ser reservado para gravações e mixagem em estúdio, para então termos uma data definida para o lançamento.

Parkway Drive prestam homenagem para Tom Searle

tom-searle

Hoje foi noticiada a morte de Tom Searle, o guitarrista da banda britânica de metalcore, Architects. O musico passou três anos lutando contra o câncer, mas, infelizmente, faleceu no último Sábado.

Uma mensagem sobre a morte de Tom foi publicada no Instagram do Parkway Drive e Winston McCall e Jeff Ling também prestaram homenagens em suas contas oficiais. Confira abaixo:

“Estamos devastados ao ouvir sobre a morte de nosso grande amigo Tom Searle do Architects. Nós tocamos com o Architects pela primeira vez há 10 anos atrás em Londres e desde então eles se tornarão, não só uns de nossos amigos mais próximos, mas também uma das bandas com que mais saímos em turnê.

Tom era uma inspiração e contagiante em sua batalha com o câncer, nós nunca poderemos descrever como foi testemunhar sua mentalidade, dignidade, paixão e positividade. Seu legado não só como músico, mas como pessoa será impossível de se esquecer. Nossos corações vão para todas as pessoas que sentiram com sua perda, especialmente daqueles que eram próximos a ele e expressaram sua compaixão durante esse tempo.

Todos nós sentiremos sua falta. Obrigado por dividir sua vida conosco, Tom.”

– Parkway Drive

“Estou tentando encontrar o que escrever aqui, mas não consigo fazer justiça à situação. Obrigado por sua vida, Tom. O tênis de mesa na última turnê, o show na garagem 10 anos atrás quando você encerou suas cordas para poder tocar mais, a festa em Vegas no final da turnê, os sucos que você fez para trazer minha voz de volta. Nada pode preencher o espaço que a vida deixa, mas eu me sinto enriquecido pelo que você nos deu e pelo que você deixou. Para todos os nossos amigos entristecidos, eu estou pensando em você. Obrigado por tudo, Tom. Você partiu com o vento.”

– Winston McCall

“A indústria da música perdeu um dos performers e compositores mais talentosos que já conheci. A música de Tom é única e sua técnica é genial. Nós fizemos nosso primeiro show juntos há 10 anos atrás em um barzinho em Londres. Tantas memórias que nunca serão esquecidas. Eu sempre irei lembrar de você, meu parceiro. Meus sentimentos para todos os amigos e familiares de Tom. Um herói nunca morre!”

– Jeff Ling

parkway-with-architects

Os 10 discos que mudaram a vida de Winston McCall

winston-mccall-news-01

A edição de Setembro da revista Metal Hammer trouxe uma matéria com o vocalista do Parkway Drive, Winston McCall, onde ele cita os 10 discos que mudaram sua vida. Confira a lista abaixo e clique aqui para ver o ensaio fotográfico em nossa Galeria em alta qualidade.

O primeiro disco que comprei foi…
The Prodigy – Music for the Jilted Geeration

“Eu tenho certeza que Voodoo People” foi a música que me fez gostar deles – eu acho que que ouvi na rádio – e eu acabei procurando e comprando o disco, e eu virei um fã do Prodigy daí em diante; Nós literalmente colocamos o disco no carro no dia seguinte na volta de um show e ficamos tipo , ‘Caralho, eles ainda mandam ver!'”

A melhor arte de um disco…
Mastodon – Leviathan

“No tempo, eu não tinha ideia do que era o Mastodon, mas a capa é fenomenal, então eu comprei. Você não precisa conhecer as músicas para querer conhecer esse disco – e essa missão foi cumprida.”

O álbum pelo qual eu quero ser lembrado…
Parkway Drive – Ire

“Nós ainda não fizemos! Mas se eu tivesse que escolher algum, seria o Ire, simplesmente porque tudo o que fazemos é sempre a representação mais fiel do que somos como pessoas, então, claro, seria ele.”

O disco que não deveria existir é…
Nickelback – Curb

“Eu tenho que escolher o primeiro disco do Nickeblack, hahaha! Eu odeio Nickelback pra caralho. Quando eles começaram, eu trabalhava em uma cafeteria e eles colocavam Nickeblack sem parar. Era horrível.”

O disco que eu gostaria de ter feito…
Metallica – Metallica

“Ele mudou a vida das pessoas, mudou o rumo do metal e do rock. Qualquer que seja a opinião das pessoas de qual é o melhor disco do Metallica, The Black Album é um clássico do caralho.”

Quando alguém me pergunta o que é metal, eu dou uma cópia do…
Slipknot – 5: The Gray Chapter

“Isso é muito controverso, mas eu daria o The Gray Chapter, do Slipknot. Eu acho que é o melhor álbum de todos do Slipknot, é incrível, mas também personifica muitos aspectos do que eu considero o metal. Eu acho que é uma interpretação moderna do som pesado, melódico e do verdadeiro impacto emocional.”

O disco que quero que toque no meu funeral…
Nick Cave and Bad Seeds – Murder Ballads

“Eu quero assustar o pessoal em meu funeral, então eu quero arrancar algumas risadas. Eu não gosto da ideia de que um funeral deva ser a coisa mais triste do mundo – eu acho que eu vivi uma vida muito legal, então eu quero que as pessoas riam um pouco!”

Ninguém acreditaria que eu tenho uma cópia de…
Kanye West – The Life of Pablo

“É tão difícil tentar justificar ser um fã do Kanye nos dias de hoje. Toda vez eu fico tipo, ‘Eu gosto do Kanye!’, e as pessoas ficam, ‘Você o que?!’ Toda vez que você pensa, ‘Talvez ele não seja tão ruim,’ ele vai e faz outra coisa, e aí você fica tipo, ‘Oh, merda.’ É um disco interessante; de um ponto de vista produtivo, eu realmente gosto, mas não tem nenhum verso ou música clássica do Kanye.”

O disco que me lembra a escola é…
Raised Fist – Watch Your Step

“Essa foi a primeira banda que me fez entrar no mundo da música pesada sem ser punk rock. Eles vieram antes do Hatebreed. Existem algumas estatísticas loucas que diziam que eles venderam mais discos na nossa região da Austrália do que em todo o resto do mundo!”

O melhor disco para se pular de um avião é…
Hatebreed – Perseverance

“Eu teria que escolher um do Hatebreed. Você precisa de um disco encorajador, motivacional, então seria esse! Hahaha!”

Novas fotos de Winston McCall adicionadas na Galeria

Atualizamos a Galeria do Parkway Drive Brasil com duas novas fotos do vocalista Winston McCall publicadas hoje na internet. A primeira foto faz parte do ensaio da campanha de inverno da Unite Clothing e, em seguida, uma foto feita na manhã desta quinta-feira na República Tcheca, onde a banda se apresentará em algumas horas. Confira clicando nas miniaturas abaixo:

Unite Clothing lança campanha de Inverno com Winston McCall

Hoje a Unite Clothing lançou uma nova coleção de peças para o Inverno de 2016 e, para promover as novas peças, novas fotos de um ensaio fotográfico com Winston McCall foram publicadas na internet.

Acesse o álbum em nossa Galeria clicando abaixo e clique aqui para conferir os novos produtos disponíveis:

winston-unite-01

Winston McCall comenta sobre direção criativa de “Devil’s Calling”

devils-calling-video-03

Em um novo depoimento publicado pelo site All Access, o vocalista do Parkway Drive comentou sobre a direção criativa por trás da faixa “Devil’s Calling”. A matéria também revela que a faixa foi escrita após o lançamento do disco “Ire”. Confira a tradução do depoimento de Winston abaixo:

“Ela foi escrita simplesmente como uma música de protesto; nós estamos vendo, nós todos vemos o que está errado. É uma forma de redirecionar a energia; nós recebemos o fogo que são lançados contra nós e usamos eles para queimar as pontes que conectam o poder com a base.”